Total de visualizações de página

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

A Diferença entre a Força e Coragem...


Enquanto todos os outros filhotes já estavam ensaiando passos fora do ninho, Vivi nem sequer se mexia do lugar.
A gaivotinha tinha dificuldades na hora de pegar o alimento e parecia estar sempre olhando para o infinito. Como se visse algo diferente no ar.
Logo a mãe de Vivi compreendeu. A gaivotinha não podia ver. Jamais veria a cor do céu, do mar, das árvores...
Quando Vivi começou a sair do ninho, ajudada pela mãe gaivota, virou motivo de piada dos outros irmãos.
Por não enxergar, batia nas árvores, tropeçava em galhinhos e caía no chão.
- Ah, ah, ah! Olha só que gaivota atrapalhada! - assim gritavam as gaivotas do grupo, que riam de Vivi.
Quando ficava sozinha, Vivi chorava baixinho.
- Por que todos podem ver e eu não? Por que Deus do céu me fez nascer assim?
A mamãe gaivota consolava Vivi:
- Quando Deus nos faz diferentes por algum motivo, nos dá em dobro capacidades que os outros não têm. Você pode ver com o coração e um dia vai descobrir um dom maravilhoso.
Vivi aprendeu, aos poucos, a conhecer o lugar onde morava.
Voando ao lado da mãe gaivota, ela ficou sabendo onde estava cada árvore, cada rochedo, onde estava a praia e onde chegavam as ondas do mar.
Vivi aprendeu a pescar, mergulhando nas ondas para pegar peixes e quando voava, sentindo o vento nas asas, sentia-se uma gaivota muito especial...
Aos poucos, Vivi aceitou o fato de ter nascido diferente das outras gaivotas.
E as brincadeiras já não a faziam chorar.
Assim, começou a treinar vôos diferentes, alguns mais altos, outros mais baixos que as gaivotas comuns não conseguiam fazer.
As outras gaivotas, reunidas em bandos, continuavam a rir de Vivi:
- Vejam, ela quer se mostrar! Acha que pode voar como um avião!
Mas... no meio delas, uma pequenina gaivota passou a admirar Vivi e resolveu se aproximar.
No início, muito cautelosa, apenas observava Vivi de longe, depois escondida atrás das pedras, seguia de pertinho cada passo de Vivi.
- Venha cá - disse um dia Vivi, sentindo que a gaivotinha a estava espiando.
- Desculpe, pensei que você não pudesse ver.
Vivi então explicou que seus olhos não enxergavam, mas seu coração era capaz de sentir tudo o que ocorria ao seu redor.
- Posso aprender a voar como você? - perguntou a gaivotinha.
- É claro - disse Vivi, abraçando-a com suas longas asas.
"É preciso ter força para amar,
mas é preciso coragem para ser amado"
*Autor desc.*

Nenhum comentário:

Postar um comentário